Antes de Sonhar

Comportamento, moda, fotografia, música, textos de amor e dicas. Um Blog com tudo aquilo que adoramos fazer antes de sonhar! – Por Mariana Solis

sábado, abril 09, 2016


A Carta de Frida

Oi, querida mulher,

Meu nome é Frida. Mas pode me chamar de Simone, de Pagu, Malala, Ada, Marie Curie, Dworkin ou se preferir, Beyoncé. Somos também Shonda Rhimes e Viola Davis. Assinamos feminismo. Carregamos militância e resistência na pele.
Resistimos porque somos mulheres e acreditamos que isso não deveria nos fazer inferiores a ninguém. 
Acho que tenho a obrigação de me apresentar melhor, até porque me julgam sem saber muito de mim. Ouvi – e não foram poucas vezes – que "essas mulheres são loucas, não sabem o que dizem". Vai dizer que você, mulher, também nunca foi alvo de críticas sexistas?
Julgam-me por problematizar a indústria e toda a estrutura que faz de mim um bibelô a serviço dos prazeres masculinos. Julgam-me porque não aceito que me reduzam a coisa. Julgam-me porque todos os dias tento romper com as amarras que não me deixam ser livre. E essa coisa de liberdade é bem louca, você não acha?
Eu também.
Nossa socialização nos dá brincos aos poucos meses de vida, para garantir que estamos para sempre marcadas como mulheres. Nos dá boneca e fogão ao 3 anos. Nos dá cor-de-rosa e princesas perfeitas aos 7. Nos dá conotação precoce – ou sensação de muita maturidade – aos 11. Nos dá insegurança aos 13. Nos dá maquiagem, dietas e padrões para o resto da vida.
Mas fica aí uma grande falha do que é ser mulher e toda essa feminilidade construída com os mais perfeitos contornos do que nos afasta dos nossos sonhos.
Sendo Frida, não me aceitaram artista, muito menos bissexual. Sendo Lovelace, tentaram apropriar do meu conhecimento e da minha inteligência. Sendo Penha, disseram-me que se apanho é porque gosto. Sendo Beyoncé, tentaram me embranquecer. E se você entende o que eu quero dizer: nunca seremos boas e por isso tem algo que nos aproxima. Somos mulheres. 
E você também. E tenho certeza de que você sabe do que eu digo. 
A gente se entende porque sendo Frida ou mera desconhecida, não querem de nós autonomia, confiança, quiçá amor próprio. Querem serventia, submissão e silêncio. Principalmente nosso silêncio. E estou aqui para te dizer para que não te cale, que a voz é sua arma de resistência. Sou filha da luta e meu lugar é na revolução. Revolucione. Diga que se ama, não alimente a rivalidade feminina, acredite em você, porque a gente já acredita. Esperamos que um dia você possa se ver como a gente te vê. Como gosto de dizer, você poderia ser mais bonita hoje, se já não fosse linda sempre.
A gente acredita que você é maravilhosa e não é seu corpo que diz isso
A pele que você habita é maravilhosa porque conta sua história. 
Mesmo que não saiba, você é resistência. A ansiedade, a depressão e o constante autojulgamento são ferramentas de dor, eu sei, e também sei que não é fácil lutar contra elas todos os dias. Queremos nossos corpos livres de tudo que nos machuca. De todo não que querem enfiar goela abaixo. A gentileza consigo mesma é um passo fundamental que nos empodera, para empoderarmos umas as outras. Por isso talvez seja tão difícil deixar de dizer para si mesma o que não diria para tua amiga. Porque nossa dor é aquela que cega, que nos impede de ver que podemos ser protagonistas. 
Eles temem nosso poder, porque o dia que nos unirmos não saberão como nos deter.
Nós, mulheres, queremos fora da sua expressão as vírgulas, os pontos e as reticências que sempre colocaram no seu discurso – porque lugar de mulher é na cozinha, porque engenharia é coisa de homem ou que se deve sonhar, única e objetivamente, com casamento e filhos. A gente entende que todo recorte é necessário e seja você mãe solteira, mulher periférica, gorda, negra, lésbica, neuroatípica ou tudo isso junto: você é protagonismo e resistência.  
E eu quero te dizer que seu feminismo jamais será menos válido se suas condições de militância são precárias ou escassas. 
Não é o feminismo acadêmico e elitista que revoluciona. Militância é empatia por outra mulher e, acredite, não precisa vir sempre estampada de feminismo. É militante aquela que aconselha a amiga em um relacionamento abusivo ou ajuda a sair dele, é aquela que viu a mãe apanhar e denunciou (ou simplesmente apoiou, chorou junto, e sentiu na pele a dor de outra mulher), é aquela que na internet faz mutirão para ajudar uma mulher periférica desamparada. É tantas outras que agiram porque a luta é compartilhada. É o feminismo intrínseco que carregamos conosco.
É toda guerra que almejamos cessar antes que cessem vidas de outras mulheres.
Sua voz não precisa ser verbal. Vocalize nas atitudes. Na sua arte, como eu fiz. Na música, como Queen B. Do seu jeito, especial e único. Que o feminismo perdure nas suas pequenas ações que tanto significam para a equidade. A sua luta é imensurável porque o machismo não te prende mais por completo. Porque você não aceita discursos de misoginia, de violência de gênero e silenciamento das mulheres. Porque nossa luta faz encontrar nossa própria essência e tudo aquilo que verdadeiramente somos – e cada vez mais distantes do que querem que sejamos. 
Porque você entende que estamos aqui umas pelas outras.
Como amigas, aliadas, irmãs e filhas da luta. Da nossa luta.

Vamos juntas?
Com amor, Frida
– mas pode me chamar de... você já sabe.
Hoje o blog completa 6 anos! Todo esse tempo fez desse espaço cada vez mais importante e especial para mim. Foram 6 anos que o Antes de Sonhar deu sentido a muitos momentos da minha vida. O tempo passa, mas nunca me esqueço de tudo que almejo realizar antes de sonhar. E espero que possam levar isso também na caminhada de vocês! Obrigada, de coração!
3 comentários

domingo, março 06, 2016


Viajando em tempos de crise (pt.1)

O blog está de volta e com um dos assuntos que mais amo!
Eu diria sem medo que viajar é uma das melhores coisas da vida, se não a melhor. Escolher os destinos, planejar o roteiro, definir hotéis e restaurantes, sonhar a cada dia que a viagem se aproxima. Nem preciso dizer o quanto isso é incrível né?! 
De agosto de 2015 a janeiro de 2016, tivemos, eu e minha família, a alegria de fazer 3 viagens, uma nacional e duas internacionais, cada uma com seus detalhes mais peculiares. Campos do Jordão, Santiago do Chile e a desejada New York City foram nossos destinos nos últimos 6 meses. As minhas experiências pessoais se baseiam em viagens sempre feitas por conta própria, sem pacotes de agência ou guia turístico, mas com o delicioso diferencial de fazer do jeitinho que a gente planejou. A pergunta que não quer calar: como viajar em tempos de crise? E mais – ainda para fora do país? Hora de abrir o jogo!
Bom, eu, discípula da queridinha Gossip Girl, c-h-o-r-e-i de felicidade quando recebi a notícia de que iríamos para a cidade da minha série preferida, onde também muitas outras séries (FRIENDS, por exemplo), filmes e livros que adoro foram cuidadosamente pensadas para a Big Apple. Hoje não vou falar especificamente de NYC (isso é assunto para outros posts, ou vários hehehe), mas sim começar (tem a parte 2 ainda!) a fazer um comparativo de 3 roteiros diferentes e com custos diferentes.
Nossa viagem a Campos do Jordão foi curta. Aproveitamos o final das férias e passamos 4 dias na cidade. Fomos de carro até lá e já tínhamos o hotel reservado pelo Booking.com e essa com certeza é uma boa maneira de economizar e já ir tranquilo com sua estadia garantida, no precinho que você quer.
O hotel que ficamos em Campos, de começo, me assustou pela distância do centro de lazer da cidade, mas depois descobrimos que é assim mesmo! A cidade tem hoteis que se parecem fazendas, outros que são resorts, mas isso remete também que eles não serão tão pertinhos da badalação! Nosso hotel era também um haras, com cavalos de competição raríssimos e imponentes, além do belo mirante do lugar para o nosso deleite e de uma área de golf disponível. Mas quando escolhemos Campos do Jordão, já tínhamos consciência de um detalhe crucial: Campos é uma cidade cara e pasmem, viajar pro Chile sai mais em conta. Não vou entrar no mérito do tempo de cada viagem, mas se fôssemos sondar os gastos diários em cada destino, Santiago ganha de lavada no quesito preço. Minha intenção é dar a cara a tapa e jogar as cartas na mesa! Será que vai dar certo?
3 comentários

quinta-feira, abril 09, 2015


Precisamos falar sobre amor próprio

Qual parte do seu corpo você já amou hoje?
Foi essa a pergunta que começou a mudar um pouquinho da minha vida. Eu sei, eu te entendo quando você se sente triste quando se olha no espelho. Sei o quanto é difícil se amar do jeito que se é. Chega a ser desafiador. E foi esse o desafio que me propus. Amar pelo menos uma parte de mim a cada dia. Mesmo que, você sabe, o cabelo insista em não ficar tão bem assim. 
Eu me peço, diariamente, permissão para ser um pouco mais feliz do lado de fora. Eu me permito que as aparências sejam irrelevantes para sentir a essência da vida. Quando estou sem forças para seguir o que eu acredito, eu gosto de me despir de tudo aquilo que me aprisiona. A rotina, as preocupações, os medos, as ansiedades, as decepções são pequenas prisões. E, acredite, se libertar delas não é uma tarefa fácil. Tento me dedicar mais aos beijos, abraços, sorrisos, conselhos e às pequenas coisas que me alegram. É assim que sou uma festa dentro de mim e a felicidade é minha maior convidada. Mesmo que eu carregue comigo cicatrizes, angústias e dias difíceis. E, então, só suplico para que eu seja, verdadeiramente, morada de sentimentos bons. Que eu tenha alegria de viver. Que eu seja leve, livre, linda. 
Que eu simplesmente seja. 
Eu me declaro confiscada para sentir o que me faz bem, para viver o que me engrandece e sorrir a felicidade sorrateira que transborda. Se fosse para abrir mão de alguma coisa, eu escolheria tudo aquilo que tenta me dizer que não sou capaz. Eu escolheria cada voz que um dia disse que eu não consigo. Mas eu consigo. Sou a pessoa que mais deve acreditar em mim. E eu te peço que também seja essa pessoa na sua vida. Eu posso ser um exagero poético mas também posso escolher ser uma calmaria literária. Posso ser muito, mas também posso ser o suficiente. Posso alcançar a lua, mas sem desistir das estrelas. 
Se eu quiser, posso habitar uma constelação em mim e as estrelas seriam cada dia que sorri. 
Eu te peço, menina, que tenha um pouco mais de paciência e amor – sim, amor – com seus defeitos. Tente perceber que eles fazem parte de você e isso não te faz pior que ninguém. Todos nós somos assim. Sinta-se livre para errar. Tente se arrepender menos. Considere toda forma de experiência – boa ou ruim – como um aprendizado. E isso vai fazer com que tudo seja mais leve. Dessa eterna insatisfação humana, só me resta buscar um pouco mais do que me faz sorrir. Não preciso reclamar sempre, mas também não preciso parecer bem todos os dias, se eu não quiser. Hoje entendo que amor próprio pode ser tudo aquilo que faz meus olhos brilharem. É produto da admiração pelas coisas que me cercam e que de alguma forma uso para ser feliz. 
É a vontade de alcançar o que faz da minha completude mais intensa. 
Porque sim, todas nós somos completas sozinhas e talvez seja isso que muitas de nós ainda não entendem. O que talvez precisamos – ou buscamos – são aquelas companhias capazes de nos fazer transbordar.
Mas qual é o segredo? Menina, vou te dizer que não há segredos nem fórmulas. Não existe um manual da mulher bem resolvida. Não engula essa história de que você é menos mulher por acreditar em algo diferente, por ter um estilo diferente, por ser diferente. Não deixem que te digam como você deve ser, o que deve comer e qual roupa você deve abolir do seu armário. Sim, amor próprio é autonomia. É se libertar. 
E eu gostaria que entendesse que isso não tem nada a ver com o que os outros pensam de você. 
É autoaceitação, é perceber que o teu corpo só te pertence e que não, você não precisa mudar para ser feliz. A mudança, se é o que você tanto almeja, deve partir de você, do que busca melhorar, e não do que te dizem que é o melhor. É que nem amor: cada um sabe o que faz o coração bater mais forte, em ritmo de carnaval. O amor próprio não é muito diferente. Ele é aquele que te faz se apaixonar por você todos os dias. Apesar de todas as brigas consigo mesma. Apesar dos dias ruins. Mesmo que ainda haja assuntos pendentes e coisas a se resolver. 
Porque o amor também é assim. O amor próprio não seria diferente.
E eu quero te dizer uma coisa hoje. Se ame, mesmo que ninguém diga. Mesmo que você também não tenha coragem de te dizer. E jamais desista de você. Lembre dos teus sonhos, de tudo que você tem e pode ter. De quem você é e pode ser. Olhe-se e se ame por ser assim. Ame suas imperfeições. O que importa é o que te faz feliz. Se ainda não consegue se amar por completo, ame pelo menos uma parte de você a cada dia. Seja a melhor pessoa para si, só assim você pode ser melhor para quem você ama e quem te ama. Você pode ser diferente. Você pode sorrir desse seu jeitinho engraçado. Você pode dançar no ritmo mais insano. Você pode gostar daquela comida que só você gosta (e inclusive fazer propaganda do quanto é boa, mesmo que só ao seu paladar). Você também pode ouvir músicas que ninguém conhece e cantá-las no chuveiro, no quarto ou na rua. Não importa. Não importa se alguém te olhar torto. Isso te faz única. Essa é a real beleza de ser quem você é. 
Isso é amor próprio.
Você poderia ser mais bonita hoje, se já não fosse linda sempre. 


Hoje o blog completa 5 anos. Muita coisa aconteceu, muita coisa mudou na minha vida e hoje percebo o quanto tenho sentido falta de estar aqui. São 5 anos que o blog faz parte da minha vida e de mim. E eu amo, amo profundamente, o Antes de Sonhar. E agradeço a cada um que faz parte da história do blog e da minha história. Como gosto de dizer, é um sonho que vocês fazem parte. Mais uma vez, obrigada de coração!
3 comentários

quinta-feira, agosto 28, 2014


Desacontece

"Quando algo de bom acontece na sua vida, 
você começa a ligar os pontos. 
O que ficou para trás, tinha que ter ficado."
– Tati Bernardi
Você, assim como eu, provavelmente tem a necessidade de entender por quê alguns planos que tinham tudo – tudo mesmo – para dar certo vão por água abaixo. Essa compreensão não é fácil e nem suave. Fazer uma avaliação geral e até uma autoavaliação não é uma tarefa simples, muito certamente porque essa postura só é tomada depois das decepções, dos fracassos e das desilusões – e elas, você sabe bem, são dolorosas. De início, as explicações nem sempre são claras e as atitudes nem tão justificáveis. Então vamos lá, deixa eu te contar, há um tempo – não muito assim – busquei me isolar emocionalmente e você já deve ter imaginado os motivos. Como todo ordinário sofrimento humano, desses que não merecem sequer lágrimas, dediquei-me a decifrar esses desencontros tão frequentes. Se passou pela sua cabeça algo relacionado ao destino, naqueles dias eu não consegui jogar todo o fardo da decepção nele. Seria fácil demais acusar as ironias do destino, eu estaria me conformando com as consequências sem mesmo entendê-las – mas isso não bastava. Tive muitos momentos de reflexão e, em um deles, com o coração já calmo mas num impulso verborrágico, encontrei a palavra que traduziu o meu estado de espírito. Eu – sobretudo meus sentimentos – começavam a desacontecer. Isso mesmo que você leu: desacontecer, com um prefixo capaz de mudar tudo, de transformar todos os modos verbais, temporais, emocionais e causais de um acontecer qualquer. Quero que fique claro, até porque como modesta verbalizadora dessa definição aparentemente objetiva, você precisa saber que quando as coisas desacontecem elas não deixam necessariamente de acontecer. O desacontecimento não é o passado remoto, até porque, convenhamos, nada permanece intacto quando a memória ainda faz questão de lembrar. Desacontecer também define a vontade de mudar, de se renovar e, em inúmeras situações, de superar. Os desacontecimentos proporcionam recomeços. Não é fracasso se seus planos desacontecerem. Lidar com os sonhos que desacontecem é aprendizado, amadurecimento. Quando dois corações não mais se encaixam a paixão desacontece. O amor eu ainda não sei se é passível de desacontecer. As coisas desacontecem com um propósito, mas entenda, a culpa não é do destino. Tudo nessa vida é circunstancial e depende de ocasião, motivo, pessoas e intenções. Não disse que seria simples deixar as coisas desacontecerem, até porque muitas vezes elas desacontecem porque não damos oportunidade para que aconteçam. Também somos eternos responsáveis pelo que desacontece na vida de alguém que importa – ou que deixa de importar. E veja bem, são as escolhas que guiam todos os momentos, mas a vida, acredite, vai te ensinar bem que o prestígio de escolher nem sempre será seu. Nem sempre alguém vai escolher por você. Basta um segundo de medo, angústia, imprudência... E uma vida deixa de acontecer. Quem disse que seria fácil aceitar a dor da perda? A morte sabe doer, profunda, no coração de quem fica. Mas a vida dos que permanecem não pode desacontecer simplesmente. O desafio de ser forte é muito maior. Faz parte. Faz parte deixar com que as lágrimas molhem o travesseiro, faz parte o vazio parecer maior do que o que realmente preenche. Faz parte pensar em desistir, até porque muitas das vezes os pensamentos mais obscuros surgem em momentos em que, de fato, parecem ser a única solução. Mas vou te falar que deixar as angústias mais profundas desacontecerem é tão, se não mais difícil que deixar o amor acontecer, por exemplo.
Talvez, sei lá, você já esteja me achando uma grande louca, por isso quero que largue a minha voz para ler as próximas palavras com a voz de alguém que já te ensinou muito – sinta-se acolhida em um colo que acolheu até mesmo os seus medos e inseguranças – e veja os lábios dessa pessoa pronunciarem de um jeito que só ela para te entender, olhe nos olhos dela e deixe o timbre invadir seu coração: ouça, menina, jamais desista do que você quer, independente do que te dói agora. Confie mais em você, se entregue ao presente, ame o sim e aprenda com o não. Desacontece todo esse medo de fracassar – esqueceu das vezes que se levantou ainda mais forte? Entenda que nem sempre você vai acertar e que nem sempre quem você mais deseja vai ter disposição para acertar contigo. Mas quem disse que você precisa disso para viver? Você só precisa de uma pessoa, que é você mesma. Tá bom, fica tranquila, para o que quer que aconteça também estou aqui. Deixa rolar, tudo bem? E se você quiser, só vai e faz acontecer. Não deu certo? Ah, então se reinventa menina, recomeça e desacontece tudo o que te faz mal. 
Nada acontece por acaso. 
E acredite em mim, nem desacontece também.
7 comentários

segunda-feira, junho 30, 2014


Mídia Kit Watercolor (free!)

Oiii! Tenho a felicidade de dizer que este é o primeiro goodie feito completamente por mim! Uhul! Sempre quis fazer layouts free, mas quem trabalha com isso sabe que dá um pouquinho de dor de cabeça, principalmente quando alguém faz muita questão de usar mas surge algum problema na instalação... Então estive pensando, em vez de layouts, por que não disponibilizar um mídia kit? 
O mídia kit é uma síntese ilustrativa e resumida do seu blog, com informações sobre a página, dados estatísticos, gráficos, eixo temático, entre outros. E qual é o objetivo de um mídia kit? O MK é um material destinado a empresas ou lojas que tenham interesse em anunciar no seu blog.
Deu para sentir o quanto é importante ter o seu próprio mídia kit, né? Normalmente, o MK possui uma interface que faz alusão ao layout do blog e, pensando nisso, montei o MK•Watercolor para as blogueiras que têm um template aquarela.

O material é bem simples, mas possui os principais pontos para um mídia kit atraente:
• Capa com exibição da identidade do seu blog
• Sobre o blog
• Redes sociais
• Dados recentes (dos últimos 6 meses)
• Público alvo
• Aparições (destaques na mídia)
• Dados estatísticos
• Formatos para anúncio e contato

Essas informações foram divididas em 4 páginas e tentei fazer de uma forma dinâmica e interessante. Este mídia kit é estático, mas você pode passá-lo para .pdf, power point ou hospedar em algum slider online da sua preferência. Deixei no formato .psd para ser editado em Photoshop (foi feito no CS4 e testado no CS5, CS6 e CC), mas também em .png para ser trabalhado em outros editores. O resultado é este:
Sinta-se livre para personalizá-lo! Não deixe de ler o arquivo 'Leia-me' porque nele há os itens e links necessários para o seu mídia kit. 

Faça o download pelo Pay with a post:



E então, o que acharam do material?
Se for usá-lo, deixe um comentário! Quero ver o resultado personalizado!
Qual é o próximo estilo de mídia kit que vocês querem?
Beijinhos, Mari.

Onde me encontrar: Facebook Instagram Flickr Youtube

32 comentários

quinta-feira, junho 26, 2014


70 tatuagens para você se inspirar!

Muitas de vocês devem sonhar em fazer aquela tattoo que te representa, né? Aliás, algumas eu já sei que tomaram coragem e foram ao estúdio para finalmente ter a desejada arte. Acima de tudo, inclusive do que os outros acham bonito ou não, a tatuagem deve ser cuidadosamente pensada, nunca feita por impulso, mas sim para registrar um momento ou uma parte da sua história. Para quem realmente pensa em fazer uma, é provável que já tenha olhado o significado quando se trata de um desenho. E boas opções não faltam: âncoras, pássaros, laços, notas musicais, tribal, formas geométricas, animais, penas, símbolos tribais, caligrafia chinesa e, claro... frases! Espero que encontrem inspiração (ou coragem hehe) para fazer a sua tattoo!
21 comentários

Poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...